Alguns registros do início do século XIX

 Alguns registros do início do século XIX st1\:*{behavior:url(#ieooui) }
Algumas genealogias pecam por falta de maiores detalhes. Algumas criam confusões quando não citam datas. Eu, particularmente, prefiro, sempre que possível, fazer as transcrições dos registros da Igreja com os detalhes que eles trazem. Aqui neste artigo transcrevo casamentos do início do século XIX.
“Aos vinte e sinco de Fevereiro do anno de mil oito centos e dous pelas sinco horas e meia da manhan nas casas de Residência do Coronel Francisco da Costa e Vasconcellos no lugar chamado Coite: depois de feitas as denunciacoens na forma do Sagrado Concilio Tridentino nesta freguesia aonde ambos são moradores e naturaes: e não constando canônico ou civil impedimento e que se vê dos banhos e mais papeis que ficão em meo poder: em minha presensa e sendo ahi como testemunhas o Capitão mor Jerônimo Teixeira casado e o Tenente Coronel Manoel Ignácio Pereira do Lago viúvo ambos moradores nesta freguesia se cazarão em face da Igreja solennemente, e por palavras de presente o Coronel de Milícia Joaquim José do Rego Barros filho legitimo do Mestre de Campo Francisco Machado de Oliveira Barros, e de sua mulher D.Antonia Maria Soares de Mello com D.Maria Angélica da Conceição e Vasconcellos, filha legitima do Coronel de Cavalaria desta Cidade Francisco da Costa e Vasconcellos e de sua mulher D. Maria Roza Teixeira. E logo lhes dei as bençaons  segundo os Ritos e Cerimônias da Santa Madre Igreja. Do que tudo fiz este termo que por verdade assignei. Feliciano José Dornelles, Vigário Collado.”
O lugar chamado Coité é hoje Macaíba. Joaquim José do Rego Barros foi presidente de nossa Província no período 1821/1822.
“Aos vinte e tres de Agosto de mil oito centos e tres pelas oito horas da noite nesta Matris depois de feitas as denunciaçoens na forma do Sagrado Concilio Tridentino nesta Freguesia aonde ambos os Nubentes são moradores, e o Nubente natural: e não constando canônico impedimento como se vê dos banhos que ficâo em meo poder: em presença do Padre Simão Judas Thadeo de minha licença e sendo presentes como testemunhas o Capitão José Xavier e o Capitão Francisco Antonio Carrilho brancos casados e moradores nesta freguesia pessoas bem conhecidas se cazarão em face da Igreja solennemente, e por palavras de presente o Cabo de Infantaria Lourenço José de Gouveia branco filho legitimo de José Biserra de Lira e de sua mulher Jenoveva Maria da Conceição com D. Mariana Felicia branca natural da Praça de Pernambuco de onde veio de menor para esta freguesia filha legitima de José Leitão de Almeida e de sua mulher D. Maria Felícia dos Santos já falecidos e logo o dito Padre lhes deo as bençãos segundo os Ritos e Cerimônias da Santa Madre Igreja do que tudo fiz este termo que assignei. Feliciano Dornelles Vigário Collado.”
José Leitão de Almeida, português, era Professor Régio em Recife. Seu filho mais famoso foi Agostinho Leitão de Almeida que atuou durante certo tempo aqui no Rio Grande do Norte e depois seguiu para Desterro, hoje Florianópolis. Um filho de Agostinho de nome José Leitão de Almeida casou com Ana Trompowski. Eram os pais do Marechal Roberto Trompowski. O Capitão Francisco Antonio Carrilho, testemunha acima, era casado com Dionísia Soares irmã do coronel de Milícias Joaquim José do Rego Barros, o nubente do primeiro registro acima. Agostinho Leitão foi casado com Antonia Maria Soares de Mello, mesmo nome da avó, e filha de Francisco Antonio e Dionísia Soares. A primeira esposa de José Leitão de Almeida, Francisca Xavier era, também filha do Mestre de Campo Francisco Machado. Agostinho era, portanto, primo de sua primeira esposa.
Pela Wilkipedia o pai de Agostinho era Francisco Leitão de Almeida. A mesma Wilkipedia dá como uma esposa de Agostinho, Josefa Martins de Macedo. Há algumas informações desencontradas sobre os Leitão de Almeida.
A seguir o casamento de um membro da família Ribeiro Dantas celebrado por um irmão de Padre Miguelinho.
“Aos vinte e sete de Agosto de mil oitocentos e quatro pelas oito horas da noite e nas casas de moradia do Capitão Antonio José de Sousa e Oliveira por licença do Reverendíssimo Governador do Bispado Manoel Vieira de Lemos e Sampayo que também dispençou os banhos das naturalidades e moradias de ambos os nubentes que ficam em meo poder: e não constando canônico ou civil impedimento: em presença do Padre Manoel Pinto de Castro de minha licença: e sendo prezentes como testemunhas o Capitão Antonio José de Souza cazado e morador nesta freguesia e o Alferes Manoel Ferreira Cordeiro solteiro e morador na Villa de S. José se cazarão em face da Igreja Solennemente, e por palavras de prezente o Tenente Estevão José Dantas natural da Freguesia da Senhora Santa Anna da Villa de S. José, filho legitimo do Coronel Miguel Ribeiro Dantas já falecido, e de sua mulher D. Antonia Xavier de Barros com D. Maria Joaquina de Souza natural desta Freguesia, e filha legitima do Capitão Antonio José de Souza e de sua mulher já falecida D. Joanna Ferreira de Mello, e logo o dito Padre lhes deo as bençaons segundo os Ritos e Cerimônias da Santa Madre Igreja do que fiz este termo que por verdade asignei. Francisco José Dornelles, Vigário Collado.”
About these ads

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s